google-site-verification=lRHEWCH_lhUcC3jfPGqtqzJYWrTKG3-D4icy5WBVWXU
 
Love.of_edited.jpg

GRANDE PLANO

SESSÃO DUPLA

FilmFest-CamaraLogo_edited_edited.png

15 outubro | 21h30
Cinema Charlot

FilmFest-CamaraLogo_edited_edited.png
FilmFest-CamaraLogo_edited_edited.png

Música e musicado ao vivo

Von Calhau!
Marta Ângela . João Alves


Um Corpo Estranho
João Mota . Pedro Franco

Vida e morte de 9413, um figurante de Hollywood

Robert Florey & Slavko Vorkapich

USA, 1927, 14 min.

Cópia: Light Cone Films

Música e musicado por Von Calhau!

Vida e morte de 9413, um figurante de Hollywood
Vida e morte de 9413, um figurante de Hollywood

Música de Von Calhau!

press to zoom
Vida e morte de 9413, um figurante de Hollywood
Vida e morte de 9413, um figurante de Hollywood

Música de Von Calhau!

press to zoom
Vida e morte de 9413, um figurante de Hollywood
Vida e morte de 9413, um figurante de Hollywood

Música de Von Calhau!

press to zoom
Vida e morte de 9413, um figurante de Hollywood
Vida e morte de 9413, um figurante de Hollywood

Música de Von Calhau!

press to zoom
1/4
O amor de Zero
O amor de Zero

Música de Von Calhau!

press to zoom
O amor de Zero
O amor de Zero

Música de Von Calhau!

press to zoom
O amor de Zero
O amor de Zero

Música de Von Calhau!

press to zoom
O amor de Zero
O amor de Zero

Música de Von Calhau!

press to zoom
1/3

O amor de Zero

Robert Florey & William Cameron Menzies

USA, 1928, 16 min.

Cópia: Light Cone Films

Música e musicado por Von Calhau!

Robert Florey é o exemplo, na era do cinema mudo, de um cineasta profissional cuja insatisfação com o cinema mais comercial o levou a trabalhar paralelamente como cineasta independente de vanguarda.

 

Usufruindo de um bom salário como assistente dos principais realizadores da época — Henry King, King Vidor e Josef von Sternberg, começou a experimentar, produzindo as suas próprias curtas-metragens.

 

A primeira a ser exibida publicamente foi a pequena obra-prima da sátira expressionista “A vida e morte de 9413, um figurante de Hollywood”.

 

Em “O Amor de Zero”, realizada apenas com 200 dólares, mostra grande parte da influência expressionista alemã de “O gabinete do Dr. Caligari”. Foi o segundo filme de Florey e revela o talento que empregaria na sua longa e bem-sucedida carreira como realizador de Hollywood.

Lightcone Films

Ferroviario_3.jpg

O Ferroviário

Gerald Potterton

CAN, 1965, 24 min.

Cópia: NFB - National Film Board of Canada

Música e musicado por Um Corpo Estranho

Após ser seduzido por um grande anúncio de turismo no jornal, Buster Keaton decide conhecer o Canadá. E assim o faz instantaneamente, a nado, até dar à costa do país de destino.

Realizado por Gerald Potterton (Heavy Metal) e protagonizado por Buster Keaton, numa das suas últimas aparições no grande ecrã, o ator atravessa o Canadá, de leste a oeste, num carro ferroviário que passa por paisagens autênticas e de cortar a respiração.

Em plena era do cinema sonoro, o ator segue fiel a si próprio, não pronunciando uma só palavra ou sorriso, e Keaton é tão ágil e engenhoso em arrancar risadas quanto nos velhos tempos do cinema mudo.

NFB - National Film Board of Canada